HISTÓRIA DA EVZ / UFG

A vontade de criar uma instituição de ensino superior que viesse promover o desenvolvimento da agricultura e pecuária do estado de Goiás remonta à década de 1940, quando o então interventor federal no estado, Joaquim Machado de Araújo, elaborou, em 1945, o estatuto, plano e programa para a Escola Superior de Agricultura de Goiás. A despeito dos esforços empreendidos o objetivo não se concretizou.

No início da década de 1950, o projeto de criar a Escola Superior de Agropecuária no Estado de Goiás foi retomado. Em 09 de abril de 1953, os governos da união e do estado firmaram acordo para a criação da Escola Agrotécnica de Goiânia, destinada ao ensino agrícola profissionalizante em nível de segundo grau.

Com o propósito de fundar a Escola, o governo de Goiás promulgou, em 03 de dezembro de 1954, a Lei nº 1.012 (conforme anexo 1) autorizando a doação e aproveitamento da “Fazenda Samambaia”, localizada no município de Goiânia, com área de 250 hectares, para construção e instalação da referida Escola pelo Ministério da Agricultura, ficando responsável pela construção o Engenheiro Agrônomo Mori Rocha Lima. Na área foi construída a Escola Agrotécnica de Goiânia, que acabou não prosperando por falta de recursos financeiros.

Como o Ministério da Agricultura não dispunha de orçamento específico para o funcionamento da Escola, esta não obteve o sucesso esperado. Entretanto, naquela época já estava sendo discutido no âmbito da Universidade Federal de Goiás, instituição recém-fundada (conforme anexo 2), o projeto de criação da Escola de Agronomia e Veterinária. Em 1962 o Reitor da UFG, professor Colemar Natal e Silva (gestão 1961-1964) tomou conhecimento das dificuldades enfrentadas pela Escola Agrotécnica de Goiânia e solicitou ao Ministério da Agricultura a sua transferência para a UFG. O seu pedido foi atendido e o sonho começou a ser viabilizado com a publicação do Decreto Presidencial de 24 de outubro de 1962, que determinou a transferência do acervo de bens da Escola Agrotécnica de Goiânia para a UFG. Dentre os itens componentes deste acervo encontrava-se a Fazenda Samambaia.

Uma das primeiras ações da reitoria para concretizar o funcionamento da Escola de Agronomia e Veterinária foi a criação do Grupo de Trabalho constituído pelos Engenheiros Agrônomos Manoel Passos de Castro, Mário Arolla Romero, Mori Rocha Lima e pelos Médicos Veterinários Edson Pereira, Raul Conde e Romildo de Carvalho Coutinho com o objetivo precípuo de organização da da nova unidade acadêmica.

No dia 30 de janeiro de 1963, o Conselho Universitário da UFG autorizou, em caráter excepcional, o funcionamento dos cursos de Agronomia e Medicina Veterinária. Em 16 de maio de 1963 o reitor da UFG designou o professor Raul Conde para exercer as funções de Diretor da Escola de Agronomia e Veterinária, tendo sido ele o primeiro Diretor da recém-criada EAV. O primeiro vestibular para os cursos de Agronomia e Veterinária ocorreu em 1963.

A Escola de Agronomia e Veterinária (EAV) foi criada pela Lei nº 5.139, de 14 de outubro de 1966 (conforme anexo 3), mas seu funcionamento já havia iniciado em 30 de janeiro de 1963, após a autorização por parte do Conselho Universitário da UFG. A referida Lei ratificou os atos referentes à criação dessa unidade pelo Conselho Universitário.

Documentos daquela época já ressaltavam as potencialidades agropecuárias do Estado de Goiás destacando, porém que estas eram aproveitadas apenas parcialmente, em face da enorme carência de técnicos especializados. Existiam apenas 87 agrônomos e nove veterinários exercendo atividades em todo o Estado.

Em sessão de 04 de dezembro de 1968, a Câmara de Ensino Superior do Conselho Federal de Educação aprovou o Parecer 813/68 que concedeu o reconhecimento da Escola de Agronomia e Veterinária da UFG e de seus cursos de Agronomia e de Veterinária, o qual foi referendado pelo Decreto nº 64.101, de 12 de fevereiro de 1969. Este ato encerrou com êxito a luta empreendida pela comunidade universitária, contando com a participação dos dirigentes, professores e alunos. Estes últimos representados pelo Diretório Acadêmico Bernardo Sayão.

O início da década de 60 representou momento de grande expansão do ensino superior brasileiro, tendo sido criadas sete universidades federais em 1960, sendo a UFG uma destas, e mais três em 1961. A criação da UFG, instituída pela Lei nº 3.834C, de 14 de novembro de 1960, insere-se na política de expansão do ensino superior na região Centro-Oeste, onde foram criadas outras duas universidades em três anos: a Universidade de Goiás (UG), em 1959, posteriormente denominada Universidade Católica de Goiás (UCG) e em 1961, a Universidade de Brasília (UnB).

Nos primeiros anos de funcionamento da EAV ela era a única instituição com os cursos de Agronomia e Veterinária em toda a região Centro-Oeste. Além dos goianos, recebia estudantes de vários estados do país, principalmente do Mato Grosso e Distrito Federal, contribuindo para a formação de profissionais que iriam promover o desenvolvimento da agropecuária goiana e brasileira.

Com o crescimento das atividades de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidas pela EAV, a comunidade acadêmica da instituição, após ampla discussão dos aspectos pedagógicos e administrativos relacionados aos dois cursos, entendeu que seria conveniente a separação da unidade em Escola de Agronomia e Escola de Veterinária. Esta divisão foi aprovada, por unanimidade, pela congregação da EAV, pelas instâncias superiores da UFG e, posteriormente, referendada pelo Conselho Federal de Educação pelo Parecer nº 655, tendo sido depois promulgada pela Portaria MEC nº 714 de 29 de dezembro de 1981. Além de proporcionar maiores facilidades administrativas na condução dos respectivos cursos, esta separação permitiu maior autonomia e desenvolvimento de ações no sentido de possibilitar maior captação de recursos pelas duas unidades.

Com a criação da Escola de Veterinária da UFG foi nomeado Diretor “Pró-Tempore” o professor Salvador Jorge da Cunha Netto, que tinha sido o último diretor da EAV e o responsável pela condução dos trabalhos de separação das duas unidades. Posteriormente ele foi eleito o primeiro diretor da EV/UFG.

A criação da EV/UFG possibilitou grande incremento nas atividades desenvolvidas pela unidade. Com a consolidação do curso de graduação em Medicina Veterinária e como resultado do grande esforço da unidade em qualificar seu corpo docente, estimulando a realização de cursos de mestrado e doutorado, em 1995 foi criado o primeiro Programa de Pós-Graduação, o Mestrado em Medicina Veterinária, inicialmente com uma única área de concentração, Sanidade Animal. Em 1999 criou-se a segunda área de concentração, Produção Animal, para atender a grande demanda regional relacionada ao agronegócio. Em 2002, o programa mudou o nome para Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal (PPGCA), quando teve inicio o curso de Doutorado. Com o crescimento do programa, em 2003, criou-se a terceira área de concentração, Patologia, Clínica e Cirurgia. A grande expansão do PPGCA terminou por colocá-lo como um dos maiores do Brasil na sua área. Ao final do ano de 2012, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) autorizada a criação do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia e os primeros estudantes ingressaram em 2013.

A Residência em Medicina Veterinária da Escola de Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Goiás foi aprovada inicialmente em 2006 sob a forma de especialização lato sensu. À época, o curso era ofertado sob o regime anual com carga horária de 2.712 horas. Em 2011, após o reconhecimento da Medicina Veterinária como área profissional da saúde para o financiamento de bolsas de educação pelo trabalho pelo Ministério da Educação, a EVZ passou a oferecer os cursos de Residência em Área Profissional da Saúde, com 5.760 horas distribuídas em dois anos. Atualmente oito programas são oferecidos, totalizando 28 vagas em regime R1 e R2. Os programas atualmente oferecidos são: Clínica e cirurgia de pequenos animais; Clínica e cirurgia de grandes animais; Anestesiologia e medicina de emergência; Diagnóstico por imagem; Patologia clínica, Toxicologia; Sanidade animal e Patologia animal. Todos os programas oferecidos pela EVZ são reconhecidos pelo MEC. A EVZ/UFG já formou aproximadamente 140 profissionais, com ampla inserção no mercado de trabalho e em programas em pós-graduação em níveis de mestrado e doutorado no país e no exterior.

Em 2008 o Conselho Diretor da EV/UFG decidiu pela criação do curso de graduação em Zootecnia, que posteriormente foi aprovado pelos Conselhos Superiores da UFG, conforme Resolução Consuni nº 23, de 27 de junho de 2008. Depois de um plebiscito, a unidade passou a ser designada Escola de Veterinária e Zootecnia (EVZ/UFG).

Nos últimos anos a EVZ cresceu muito, procurando atender a demanda por formação e qualificação de Médicos Veterinários, os quais desenvolvem atividades que promovem o bem estar animal, além de realizarem ações de promoção e prevenção da saúde humana. Até o final de 2019 graduaram-se cerca de 3.300 Médicos Veterinários e 150 Zootecnistas O corpo docente da EVZ conta atualmente com 65 professores efetivos, todos portadores do título de Doutor, 55 técnico-administrativos e 60 colaboradores terceirizados. O número de discentes, matriculados na graduação em Medicina Veterinária é de aproximadamente 500, na Zootecnia 250, conta com cerca de 500 estudantes de mestrado e doutorado e 26 residentes. Considerando os dois programas de pós-graduação, Ciência Animal e Zootecnia, já foram defendidas 623 dissertações (nível mestrado) e 336 teses (nível doutorado) nos mais diversos temas de abrangência da Medicina Veterinária e da Zootecnia e, particularmente, de interesse da produção animal; da qualidade e segurança alimentar da saúde e do bem estar animal.

A EVZ/UFG nesses 57 anos de funcionamento prestou, e continuará prestando, relevantes serviços à sociedade, formando profissionais qualificados, preparados para desenvolver atividades nas diferentes áreas da Medicina Veterinária e Zootecnia, além de desenvolver projetos de pesquisa e extensão que, em conjunto, contribuem significativamente com desenvolvimento do agronegócio brasileiro e com a saúde e o bem estar dos animais e do homem.

 

1. Confira a Lei de 1954 (Fazenda Samambaia)

2. Confira a Lei de 1960 (UFG)

3. Confira a Lei de 1966 (EAV)